quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

Novos Instantes Velhos



não se respira composições
365 sóis e luas.
o poeta bebe numa fonte
que ninguém conhece.
(ele próprio desconhece)

não se respira
composições
365 trezentos e sessenta e cinco
auroras e crepúsculos.


a primazia do momento
às vezes, excede a crença 
de que pra se fazer versos 
é preciso os antigos conceitos 
dos dizeres almos em papéis.
o poeta respeita o poema
sobretudo o de
fome e
sede
é um insaciável
fala de boca cheia
de certo com os líricos passionais
entre os dentes.

sua fonte não deve secar
embora não se 
beba e coma
poesia
e que gostem mesmo de
alegorias símbolos e piadas eruditas

qual instante de composição dos novos poetas sem métrica?
não há um instante certo
tarde suas fontes secam
saúdem ou cuspam em seus novos instantes velhos



3 comentários:

  1. Essa é show de bola!Não sei se estou enganado,mas concorreu no "Festival de Poesia Falada"?Ou estou ficando doido?
    Aquela edição que ganhou um poema ridículo que ficava o tempo inteiro:"Erro 404,erro de comunicação"...chato pra caralho,Deus do céu.

    "O poeta bebe numa fonte que ninguém conhece,até ele desconhece"
    Essa passagem é FODA!!!

    Abraços,parceiro!

    ResponderExcluir
  2. kkkkkk!!! É o próprio... Não lembro quem ganhou naquele ano, n... Valeu pela visita!

    ResponderExcluir
  3. ...mas vc Allyson Veras passa 365 dias amando e sonhando.
    Como sempre, surpreende! Amei.É muito bom ler vc.

    Bjs, Rafa.

    ResponderExcluir

"Mais uma dose! É claro que eu tô afim!" Obrigado por visitar a bodega online. Abraços!