sexta-feira, 29 de fevereiro de 2008

A propósito


A propósito


(...) eu queria ter óculos escuros pra não ver a luz da hipocrisia.
Uma bebida nacional pra morrer no outro dia.
Um perfume floral pra disfarçar a catinga.

aprenderemos a conviver com o mal?
colarinhos à boa mesa.
sistema ignorante de verdades violentas

eu queria ter um deus, desses honestos
pão à ceia, vinho não!... sangue mesmo
preciso de uma banho de mar mas a praia é particular

geração vencida triste corrompida
querem enxugar a máquina a qualquer custo
eu queria fumar meu baseado meu cigarro de lamentos
ter coisas simples sou um miserável leigo

quero matar a sede saciar a fome
excretar miragens ver surgir as nuvens
mergulhar no infinito acreditar no mundo

estar sóbrio de novo

eu queria ter um velho violão pra dedilhar os nervos
analgésicos pra razão.
amnésia pra renascer

Um comentário:

"Mais uma dose! É claro que eu tô afim!" Obrigado por visitar a bodega online. Abraços!