sexta-feira, 28 de março de 2008

Clã Destino


por que não durmo?
e tenho utopias
sobre o criado
mudo?

farejo hennas
e um papai-noel blue,
numa sociedade cosmopolita
que me deixa à margem de tudo.

já não canto a liberdade.
ma(i)s um estado de espírito.
(nem mesmo és moça
fugaz e um olhar triste
que traz no colo esses
rótulos míticos.)

trago conveniências úmidas.
tempos... muros altos e sujos.
quando sonhos eram de graça
e utopias, bem... quase
nunca guardadas no armário.

sobre o criado mudo
tenho verdades surdas,
mas por que elas me dizem
migalhas de tudo?
talvez Kant um canto chulo,
com pouca subversão sob prateleiras.

por que não durmo?
enlouquecendo em vigília,
resgatando a travessia;
e mesmo, sem viver
horizontes mais.

talvez seja um mero vigia;
náufrago pra de vez não afundar.

slz/2001

Um comentário:

  1. Excelente expressão da entediante, irritante insônia, ansiosa por descanso e paz interior, corpo e mente irrequietos necessitados de sossego, alguma posição de aconchego.

    Caramba... é contagioso! "Ói" eu comentando poeticamente seus posts (rsrsrsrsrs)

    Bjs!

    ResponderExcluir

"Mais uma dose! É claro que eu tô afim!" Obrigado por visitar a bodega online. Abraços!