quinta-feira, 12 de março de 2009

Slumdog Millionaire


Slumdog Millionaire

Hoje ao acessar o Yahoo, li uma notícia que sem dúvida acrescentará muito aos dias que seguem. "Bill Gates volta a ser o mais rico do mundo". E daí? Me perguntei sem o menor interesse de percorrer a lista de nomes. Noutro link escaneio comentários sobre o filme Quem quer ser um milionário? Respondi prontamente: não! Não persigo tanta grana. Entre a meia dúzia de perguntas feitas na película (é... o roteiro nos brinda com isso) chutei todas, mas acertei a que carrega o filme nas costas.

Sem dúvida a direção do inglês Anthony Dod Mantle é primorosa. Apesar de não assumir publicamente é visível a influência de Fernando Meireles em seu trabalho. As comparações são inevitáveis. Locado nos becos de Mumbain, o filme não poupou nem mesmo a galinha ciscadora de esgoto e o enquadramento ligeiro dos vira-latas igualmente retratados nas vielas de Cidade de Deus.

O filme traz o jovem Jamal Malik, que para chamar a atenção do amor perdido, participa de um programa de perguntas e respostas transmitido em rede nacional. O similar do extinto Show do Milhão do SBT, com um Sílvio Santos indiano impagável. A história revela que as lembranças de Malik estão diretamente ligadas as perguntas feitas no programa. Coincidência? Um show de roteiro e edição que fazem vibrar. A trilha sonora é um caso à parte. Algo que os nossos ouvidos Ocidentais não estão acostumados. A Índia em todas suas cores e sons numa obra prima que contraponta risos e o bom drama.

Há poucos caminhos para se chegar aos 40 bilhões de dólares de Gates ou aos 20 milhões de rúpias de Malik. Em tempos de crise econômica e a febre Obama esfriando Quem quer ser um milionário é um prato cheio para a América carente de heróis. Não menos belo, o sonho americano parece não ter acabado. Definitivamente as janelas da Microsoft e as portas dos The Doors levam a mais do que a mera percepção.

4 comentários:

  1. Allyson, nunca mais tinha acessado o teu blog e para minha surpresa me deparo com a crítica de quem quer ser milionário. Cara, ainda vou comer um galeto algum dia, tomando um chopp com uma veja embaixo do braço e vou falar com orgulho apontando pra uma foto tua na revista: Eu conheço esse porra aqui.

    ResponderExcluir
  2. Concordo com suas observações sobre o filme e ainda acrescento que Hollywood precisa desses tipos de filmes que fogem ao padrão superprodução, até porque essas temáticas se esgotam com o tempo e esse filme aborda uma questão muito importante que tem sido muito esquecida pelos grandes estúdios "as fraquezas e virtudes do homem que vive na vida real".
    beijos e parabéns pelas palavras
    Da sua amiga que te adora Milena

    ResponderExcluir
  3. KKKKKKKK!!! Porra, Amilton. Comendo um galeto? Só se for no Cabão!!!!

    ResponderExcluir
  4. Texto,como sempre,espetacular!
    Vi o filme na pré-estréia,sedento por uma coisa nova...não me toquei da influência do Meirelles,mas agora que você mandou essa,ficou bem nítido.Tô precisando andar mais com você,fera!

    "Ihhhhh,o que esse cara tá querendo?"


    Abração,irmão!

    ResponderExcluir

"Mais uma dose! É claro que eu tô afim!" Obrigado por visitar a bodega online. Abraços!